Sidebar Menu

Silvinho Peccioli é condenado por improbidade administrativa

Ex-prefeito afirma que vai recorrer
O ex-prefeito poderia ter usado os serviços jurídicos da prefeitura, diz o MPSP (Foto: Divulgação Whatsapp
A 10ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo condenou o ex-prefeito de Santana de Parnaíba, Silvinho Peccioli (PSD) por improbidade administrativa. 

Foram impostas as penas de multa civil de três vezes o valor da remuneração recebida quando ele era prefeito, perda da função pública, além de suspensão dos direitos políticos por cinco anos e proibição de contratar com o Poder Público por três anos.

A mesma decisão anulou o contrato firmado sem licitação entre a Prefeitura de Santana de Parnaíba e a empresa "Advocacia Emilson Nazário Ferreira", o que motivou a apelação interposta pelo Ministério Público de São Paulo (MPSP).

Em primeira instância, a ação do Ministério Público foi julgada improcedente. O MPSP recorreu alegando, entre outros motivos, que o município possui corpo jurídico próprio, por meio do qual poderia perfeitamente ter realizado os trabalhos contratados pelo escritório particular.

Ao reformar a sentença, a Justiça acatou a tese da Promotoria e reconheceu a existência de ilegalidade na contratação sem licitação, entendendo que Peccioli "agiu com dolo ou ao menos culpa grave" ao contratar empresa fora dos requisitos previstos em lei.

Resposta

Em resposta, Silvinho lembra que essa decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo altera a sentença de 1ª. Instância, que reconheceu a "total improcedência" da ação. 

O ex-prefeito também ressalta que ainda cabem recursos ao próprio TJ, ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) e ao STF (Supremo Tribunal Federal) e que comporta pedido de medida liminar ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral) , por se tratar de decisão que acabou de ser editada (não transitou em julgado). "Portanto, há um leque de recursos que podem ser propostos objetivando a sua mudança", afirmou Peccioli, em nota enviada à redação.

Silvinho ressaltou ainda que, nesse caso, não há qualquer menção a atos de corrupção, desvio de dinheiro público, ou qualquer coisa do gênero. "Quando eu exerci o meu último mandato, houve a contratação de escritório especializado em direito tributário, para recuperar valores que teriam sido recolhidos indevidamente pela Prefeitura ao INSS. Não foi pago um único centavo ao mencionado escritório, que só receberia, um percentual do valor restituído à Prefeitura, caso tivesse êxito na ação. A juíza de 1ª. Instância , como já disse, decidiu pela improcedência da ação. O Tribunal de Justiça mudou a decisão, para reconhecer a procedência da ação promovida pelo MP. Entendo que a segunda decisão está equivocada (para se dizer o mínimo), por isso recorreremos as instâncias superiores", enfatizou.

Segundo Peccioli, por meio do trabalho desenvolvido pelo referido escritório contratado, a municipalidade conseguirá recuperar importância superior a R$ 16 milhões, conforme decisão transitada em julgado em 08/08/2019, sem ter desembolsado um único centavo, até o momento.


Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/

No Internet Connection