Cumprindo mandados de busca e apreensão, Polícia Federal investiga Precisa Medicamentos na compra irregular da Covaxin

"Operação Imprecisão" investiga apresentação de documentos falsos e emissão de garantias inidôneas feitas pela empresa que possui escritório em Barueri. Prejuízo pode alcançar mais de R$ 500 milhões
A ação consiste no cumprimento de 11 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal e no estado de São Paulo (Divulgação/CGU)

A Polícia Federal (PF), a Controladoria Geral da União (CGU) e o Ministério Público Federal (MPF) cumpriram, na manhã desta quinta-feira (28), mandados de busca e apreensão contra a Precisa Medicamentos e seu proprietário, o empresário Francisco Maximiano.

A empresa de fármacos possui escritório na avenida Tamboré, nº 267, em Barueri. Um de seus depósitos de produtos fica em Itapevi, na avenida Portugal, nº 1.100, no bairro Itaqui. As ações feitas nesta quarta ocorrem nas cidades de Brasília, São Paulo e Campinas.

"No decorrer das apurações, foi identificado que uma empresa que alegava ser a representante oficial do laboratório indiano apresentou documentos falsos ao Ministério da Saúde e à CGU. Os trabalhos revelaram, ainda, uma carta fiança irregular emitida por outra empresa que não tem autorização para funcionamento pelo Banco Central, além de outros indícios de fraude nas assinaturas e documentos constitutivos da empresa", explicou a CGU, por meio de nota à imprensa.

Ainda de acordo com a CGU, as investigações apontaram que a Precisa apresentou cartas de fianças falsas, que foram apresentadas o Ministério da Saúde e diversos outros órgãos públicos federais, estaduais e municipais. A ilegalidade pode alcançar prejuízo mais de R$ 500 milhões.

De acordo com o portal de notícias "G1", várias pessoas são alvos dos mandados:

- Francisco Maximiano: dono da Precisa;
- Emanuela Medrades: diretora da Precisa;
- Marcos Tolentino: advogado, suspeito pela CPI de ser sócio oculto da Precisa;

Entre as empresas alvos estão:

- Precisa Medicamentos;
- FIB Bank: instituição que, apesar do nome, não é banco. A empresa emitiu a carta de fiança que seria usada pela Precisa na compra da Covaxin

Mandados na região

Em setembro, a PF realizou o cumprimento de mandados de busca e apreensão na sede e fábrica da empresa Precisa Medicamentos, no bairro de Tamboré, em Barueri, e também no município de Itapevi. A ação foi determinada pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 do Senado Federal e autorizada pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, na busca de dados sobre contratos irregulares. 

Veja mais notícias sobre Polícia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sexta, 28 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/