Sidebar Menu

​Hotéis e restaurantes da região assinam acordo para manter empregos

 Segmento pode ter diminuição de 80% nas atividades com a pandemia causada pelo novo coronavírus

Em torno de 1 milhão de empregos diretos serão preservados (Foto: Freepik)
Seis entidades de classe, de empregados e empregadores de vários setores de turismo e alimentação (hotéis, pousadas, restaurantes, bares e similares) da região metropolitana de São Paulo e de municípios próximos entraram em acordo para minimizar os impactos econômicos da Covid-19. "O acordo fechado é mais benéfico que o decreto editado pelo Governo Federal", diz Edson Pinto, presidente do Sindicato Empresarial de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Osasco, Alphaville e Região e vice-presidente da Federação Estadual do segmento. A negociação foi reforçada pela Secretaria de Turismo do Estado de São Paulo.

Poderão ser concedidas férias individuais ou coletivas sem necessidade de comunicação prévia e facilidades de pagamento do benefício; redução dos salários em 25% com redução correspondente proporcional de jornada de trabalho pelo prazo de 120 dias; suspensão dos contratos de trabalho por 120 dias, substituindo o salário mensal pelo pagamento do abono indenizatório mensal, não inferior a 50% do piso salarial; e rescisão de contrato, no caso de impossibilidade de aplicação de qualquer medida, respeitando as cláusulas previstas na Consolidação das Leis de Trabalho (CLT).

O Estado de São Paulo conta com 25 sindicatos patronais associados, abrangendo todos os municípios. "Não é um paliativo, mas sim uma resposta para que as empresas não quebrem e, consequentemente, evitando a demissão em massa. Com essa ação, se implementada em todo o Estado, estamos potencialmente preservando 1 milhão de empregos diretos", finalizou Pinto.



Veja mais notícias sobre EconomiaGeralCoronavírus.

Veja também: