Telhado da Udiaço, em Carapicuíba, recebe mais de quatro mil m² de placas fotovoltaicas

A estimativa de economia com o custo de energia elétrica para o primeiro ano na unidade será de, pelo menos, R$ 350.000,00
A empresa está localizada bem próxima ao Rodoanel Mário Covas, em Carapicuíba, e durante a instalação do sistema fotovoltaico continou operando (Divulgação/Udiaço)

A Udiaço - indústria de ferro e aço para o mercado da construção civil -, em parceria com a Sunning, especialista em energia solar, recebeu uma das maiores usinas fotovoltaicas do estado de São Paulo. O sistema foi instalado no telhado da sede da Udiaço, localizada próximo ao rodoanel Mário Covas, em Carapicuíba. São mais de 4.300 m² de área que resultam na geração média de energia de mais de 75.000 kwh/mês.

Segundo Lucas Trevizan, diretor de marketing da empresa, quando o estudo foi apresentado, a estimativa de economia para o primeiro ano era de, aproximadamente, R$ 350.000,00. "Mas, com os recentes aumentos de tarifas, bandeiras amarelas e vermelhas, esse ganho será ainda maior", ressalta Trevizan. A unidade industrial funcionou normalmente durante o período de instalação, operando com geradores apenas durante a ligação da usina com a rede pública.

O projeto da Udiaço foi implementado durante a pandemia do novo coronavírus e levou em torno de oito meses para ser finalizado. Uma boa parte do tempo foi tomada com o licenciamento da Enel que, devido à crise sanitária, estava com equipe reduzida e operando com restrições. "Nosso consumo médio de energia é de 85.887 kwh/mês. Com o telhado fotovoltaico, buscamos suprir quase 90% de nosso consumo", diz o diretor de marketing. "A partir das esperadas variações mensais de geração, esse índice oscila, mas com a implantação do sistema, as expectativas iniciais estão sendo superadas", complementa.

Além da economia de energia, a questão ambiental foi levada em conta. "Todo consumo de energia elétrica gera um passivo de CO2. Por mais que a matriz energética brasileira seja hídrica, o processo para que a energia chegue na nossa tomada gera esse passivo", lembra Trevizan. "Antes, precisávamos de 3.510 árvores para absorver o CO2 que produzíamos indiretamente, devido ao consumo de energia. Agora, precisamos de apenas 434. E o planeta agradece", destaca o executivo.


São gerados, em média, mais de 75.000 kwh por mês de energia na matriz da Udiaço (Divulgação/Udiaço)

Retorno financeiro
O tempo médio de retorno do investimento na instalação de um sistema de energia solar é de três a seis anos, mas ele praticamente se paga sozinho, uma vez que a economia na conta de energia, que acontece desde o que o sistema começa a operar, pode cobrir integralmente a parcela do financiamento. "Nossa expectativa de retorno de investimento é de quatro anos e oito meses, levando em conta que só teríamos bandeira verde tarifária no período", disse o diretor da Udiaço.

Segundo Abraão Algarve, diretor da Sunning, o maior desafio foi a instalação de um projeto de grande porte dentro de um centro urbano, envolvendo muitas pessoas e com a empresa em pleno funcionamento. "A usina fotovoltaica da Udiaço é a maior de SP em área de telhado. Eram muitos pontos a serem levados em conta e tivemos que buscar várias soluções técnicas inovadoras", conta Algarve. A empresa tem crescido 60% ao ano nos setores comercial e industrial. "Nossa estimativa é um avanço de 110% em 2022", finaliza ele.

Veja mais notícias sobre Economia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Terça, 07 Dezembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/