O momento é agora: listamos cinco motivos para você comprar o seu tão sonhado imóvel

Com redução da taxa de juros, ampla oferta de crédito e preço do aluguel nas alturas, financiar a compra da casa própria nunca fez tanto sentido; entenda os motivos
OKA MAMORÉ: edifício residencial de elevado padrão, idealizado pela NLS Incorporadora e CNL Empreendimentos Imobiliários, está localizado na esquina mais desejada de Alphaville, em Barueri (Divulgação/CNL/NLS)
Especialistas do setor imobiliário são unânimes: o melhor momento para comprar ou investir em imóveis é agora. E motivos para isso não faltam. A seguir, apresentamos dez razões que poderão dar aquele "empurrãozinho" para você tirar os planos do papel e conquistar o que sempre desejou. Boas opções não faltam nas cidades da região oeste da Grande São Paulo que integram o consórcio Cioeste.

1.) Reajuste do aluguel assusta inquilinos: o expressivo aumento do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), que ultrapassou os 30% no acumulado dos últimos 12 meses, tem contribuído para o aumento nas vendas de imóveis residenciais em cidades como Barueri, Carapicuíba, Cotia e Osasco. É o que explica o fundador da SF Brokers, Raphael Sampa, especializada em intermediação imobiliária na região oeste da Grande São Paulo. "Neste ano, os reajustes repassados pelos locadores têm sido muito acima da média de anos anteriores. Se a pessoa pagava R$ 1.000,00 de aluguel, com o atual IGP-M, passa a pagar mais de R$ 1.300,00. Por isso que as vendas dispararam, pois financiar o imóvel se tornou muito mais vantajoso".

2.) Juros baixos, oferta de crédito e pandemia: para Basilio Jafet, presidente do Secovi-SP, o primeiro semestre deste ano teve o melhor resultado já registrado para o setor imobiliário desde 2004, com recorde de vendas e lançamentos. A queda de juros e ampla oferta de crédito foram decisivos para esse desempenho. "E a pandemia, que colocou o ter onde morar como prioridade, impulsionou ainda mais o setor. As famílias mudaram comportamentos. A economia com bens de consumo, viagens e passeios, por exemplo, gerou reservas orçamentárias".

3.) Aumento dos insumos será repassado ao consumidor: em recente artigo publicado por Basilio Jafet no site da Secovi-SP, o presidente do sindicato antecipou que a inflação ganha força e o preço de insumos básicos da construção (aço, por exemplo). "Aumentos já ocorridos, que elevam a matriz de custos dos empreendimentos, ainda não foram completamente repassados para o preço final dos imóveis, o que será inevitável caso não sejam resolvidos os gargalos".

4.) Preço do metro quadrado atrativo em Barueri e região: atualmente, o comprador que deseja investir em um imóvel com cerca de 100 metros quadrados, de 2 e 3 dormitórios, paga, em média, R$ 8.500,00 o metro quadrado em Alphaville, bairro nobre de Barueri. "Na Vila Nova Conceição, em São Paulo, o mesmo tipo de produto custa cerca de R$ 35.000,00 o metro quadrado", diz Raphael Sampa, da SF Brokers à reportagem.

5.) Construções transformaram Osasco em canteiro de obras: ao Giro S/A, Camilo Dinatali, o diretor comercial da incorporadora Ekko Group, afirmou que Osasco vem sofrendo uma transformação sem precedentes nos últimos anos, com parques revitalizados, região central sendo reformada, asfalto reforçado, sem contar os incentivos fiscais que têm atraído empresas de grande porte. "Com mais gente empregada, o setor imobiliário será amplamente beneficiado, uma vez que o imóvel próprio faz parte do desejo de dez entre dez famílias brasileiras. Hoje, imóveis nos bairros mais disputados da cidade como é o caso do Bela Vista, Vila Yara, Presidente Altino e São Francisco, apresentam variação de R$ 7.500,00 a R$ 9.000,00 o metro quadrado".

Veja mais notícias sobre Economia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Segunda, 18 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/