Sidebar Menu

Inflação de produtos típicos pode encarecer a quermesse

Limão, maçã, laranja e derivados do leite foram os itens que mais subiram em 12 meses

Milho teve alta de 8%, leite 4% e manteiga 10%: ingredientes ficaram mais caros - Foto: Divulgação

Junho é o mês das quermesses, mas os consumidores vão sentir no bolso que vários dos produtos típicos dessas festas estão mais caros. Segundo levantamento da Associação Paulista de Supermercados (Apas), dos 24 produtos próprios dessa época selecionados, 22 apresentaram inflação no comparativo com a mesma época de 2018. Os maiores aumentos foram observados em frutas e derivados do leite.

O limão foi o que mais subiu: 19,6% nos últimos 12 meses. A laranja teve alta de 16% e a maçã, 10,2%.

A entressafra do leite tornou seus derivados mais caros. Creme de leite teve inflação de 14,9%, seguido pela manteiga (10,2%), coco ralado (9,4%) e leite condensado (8,7%).

Em contrapartida, o açúcar teve deflação de 4,44% e, como é base para quase todos os pratos doces, pode compensar em alguma receita.

Laranja e maçã também tiveram problemas de safra e o limão, na entressafra, segue em alta. Já a linguiça, que subiu 13% nos últimos 12 meses, por ser um produto derivado da carne sofre pela alta do dólar.

Das bebidas o vinho, que já vinha com aumentos desde 2018, em função da alta do dólar, foi a que sofreu mais com a inflação: 7,4%.

Junho costuma ter desempenho de 35 a 50% a mais nas vendas em relação a julho quando são analisados produtos típicos em relação às vendas gerais e comparados com a média mensal anual.

A Apas espera ter um crescimento de 3,7% nas vendas de produtos juninos este ano em relação a 2018.

Veja mais notícias sobre Economia.

Veja também: