Agravamento da crise econômica dispara o conserto de eletrodomésticos no País

 A compra de eletrodomésticos registrou queda de 8,9% de janeiro a abril de 2022, e 11% nos últimos 12 meses, segundo o IPCA/IBGE
Técnicos tiveram aumento de pelo menos 80% no número de chamadas (Divulgação/Silvestre Assistência Técnica Atualizada)

A inflação, a alta dos preços e a renda familiar têm alavancado um serviço no Brasil: o de conserto de eletrodomésticos. Segundo a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) do IBGE, os produtos estão 9,8% mais caros em 2022 e nos últimos 12 meses o preço médio subiu 23,5%. 

Com a elevação nos preços, as vendas de equipamentos caíram no País. Segundo o IPCA/IBGE, a compra de eletrodomésticos registrou queda de 8,9% de janeiro a abril de 2022, e 11% meses em 12 meses.

Por outro lado, o movimento está acelerado nas assistências técnicas e oficinas especializadas no conserto de eletrodomésticos. "Este ano, registramos um aumento em torno de 90% na procura pelo nosso serviço", afirma Cláudio Silvestre, da Silvestre Assistência Técnica Atualizada, que atua há 22 anos nesse mercado. Silvestre precisou contratar três técnicos. "Eram sete atendimentos por dia. Agora, são 13, chegando a 25 chamadas em um só dia", ressalta ele.

O especialista conta com um carro oficina, com todo aparato para consertar o equipamento do cliente. "Tenho tudo no carro, como ferramentas e peças. Não vou embora da residência sem consertar o produto", afirma ele.

Bruno Correa Santana, da Conserto Express, atua, profissionalmente, há três anos no mercado de conserto de eletroeletrônicos e notebooks. Segundo Santana, a grande procura pelo serviço foi já no começo da pandemia da covid-19. "As pessoas começaram a ficar em casa e notar que haviam equipamentos quebrados, que não reparavam na rotina do dia a dia. E que saía, claro,  mais barato arrumá-los", explica o técnico, que do ano passado para cá teve um aumento de 80% no número de visitas.

"As pessoas começaram a ficar em casa e notar que haviam equipamentos quebrados, que não reparavam na rotina do dia a dia. E que saía, claro, mais barato arrumá-los", diz Bruno Correa Santana, da Conserto Express (Divulgação/Conserto Express)

Quando vale a pena

Mas quando vale a pena enviar o eletrodoméstico para o conserto? Segundo Cláudio Silvestre, se o custo do reparo ficar em até 50% do custo de um produto novo, o consumidor deve investir no conserto do equipamento. "É preciso realizar uam análise histórica do eletrodoméstico: quanto tempo de uso, quantas vezes já foi para o conserto, utilização, etc.", diz Silvestre.

Há consumidores que consertam equipamentos mesmo com o custo benefício não sendo vantajoso. "A família, às vezes, tem um valor afetivo pela máquina de lavar, por exemplo, que pode ter sido da mãe", conta Silvestre.

Dicas de uso da máquina de lavar roupa
A duração dos equipamentos também depende da forma como o consumidor o utiliza no dia a dia. O técnico Cláudio Silvestre dá dicas em relação à máquina de lavar roupa. Você sabe quantas peças, por exemplo, cabem em uma máquina com capacidade de 14 kg? Detalhe: com a água, elas pesam mais.

Para ajudar na hora de colocar as roupas na máquina de lavar, seguem algumas pesagens aproximadas:

- Lençol - 30 g

- Calça - de 100 a 150 g

- Camiseta - de 20 a 50 g

- Edredon - lave sozinho

Veja mais notícias sobre Economia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Segunda, 04 Julho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/