GIRO S/A ENTREVISTA: "A pandemia trouxe cerca de 20 mil novos moradores para Alphaville e região"

É o que afirma com exclusividade à reportagem Raphael Sampa, fundador e sócio-proprietário da SF Brokers, especializada em intermediação imobiliária
Raphael Sampa: "Cerca de 70% dos lançamentos de 2021 em Alphaville e região serão feitos pela SF Brokers" (Divulgação/Arquivo Pessoal)

Para Raphael Sampa, fundador e sócio-proprietário da SF Brokers, empresa especializada em intermediação imobiliária, com sede no município de Barueri, em Alphaville, os efeitos provocados pela devastadora pandemia da covid-19 tinham tudo para atrapalhar os planos da empresa, porém, o longo e interminável período de isolamento social acabou sendo positivo. "Com famílias inteiras convivendo em um mesmo ambiente praticamente 24 horas, em que os pais precisavam trabalhar e os filhos estudar, milhares de famílias perceberam que estava na hora de morar em uma residência ou apartamento com mais espaço", diz Sampa.

Com esse movimento acelerado pela pandemia, o setor imobiliário voltou a ficar aquecido na capital paulista e cidades da região oeste da Grande São Paulo. Para atender a crescente demanda, hoje, 280 corretores atuam na SF Brokers, que planeja fechar 2021 com mais de R$ 1 bilhão em lançamentos de imóveis somente em Alphaville. "Em 2020 tivemos que nos reinventar, reduzir os custos fixos de maneira extrema. No geral, foi um ano muito bom para a SF Brokers, um período de bastante aprendizado, creio que para todos os empresários do País. Mesmo diante dos desafios impostos, nossa empresa fechou com faturamento maior do que em 2019", revela o empresário em entrevista à reportagem do Giro S/A. A seguir, acompanhe os melhores momentos.

Escritório da SF Brokers, em Alphaville, especializada em intermediação imobiliária (Divulgação/SF Brokers)

"Aprendi cedo que quem trabalha aos sábados e domingos pode até passar apertado, mas não fica sem dinheiro. Sábado e domingo são dias sagrados para o mercado imobiliário. É nesses dias que ajudamos muitas famílias, pois elas estão mais dispostas na realização de seus projetos de vida. Trabalhar de segunda a segunda para mim é normal"

Prestes a iniciar o último trimestre do ano, que costuma ser uma das melhores épocas para a venda de imóveis, com qual cenário o senhor trabalha? O último trimestre vem com represamento de pouco mais de um ano de pandemia. Lembrando que nós ficamos fechados nos meses de fevereiro e março de 2020. Então, os lançamentos que estão sendo anunciados para o último trimestre deste ano já estavam sendo esperados pelos futuros compradores e investidores, no entanto, todos os prazos foram remanejados. Portanto, com esse represamento, tudo leva a crer que mais de 50% desses lançamentos que acontecem até o fim do ano deverão ser comercializados. Para 2022, mesmo com eleição presidencial, a taxa de juros não deve mudar e continuará baixa. Por sinal, temos a menor taxa de juros da história do mercado imobiliário nacional e déficit habitacional gigantesco, mesmo em ano eleitoral, o cenário continuará promissor.

O setor imobiliário regional acompanhou os bons índices do mercado imobiliário da capital paulista, que apresentou recorde de lançamentos e vendas no 1° semestre deste ano. Quais são as suas perspectivas para o segundo semestre? Hoje, vejo que a pandemia da covid-19 contribuiu para um forte movimento de pessoas que desejavam sair das grandes metrópoles, principalmente em virtude do home office. Ou seja, muitas famílias optaram por sair capital paulista, em busca de um novo lar naquilo que eu chamo de Grande São Paulo. Fenômeno parecido já aconteceu nos Estados Unidos, em que milhares de pessoas deixaram Nova York, por exemplo, em busca de moradia em Orlando. O custo de vida, a sensação de insegurança, aumento do IGP-M também têm sido levados em conta. Quem tem se beneficiado dessa mudança de comportamento do consumidor é a região oeste de São Paulo e motivos não faltam.

Quais seriam esses motivos? Dentro do mapa da Grande São Paulo, a zona oeste é a região habitável em que o consumidor consegue ter acesso a imóveis mais nobres, com proximidade da capital paulista, qualidade de vida, segurança e completa infraestrutura de serviços, como é o caso das cidades de Barueri e Santana de Parnaíba. E detalhe: sem pagar a mais por isso. Pelo contrário. Hoje, é possível alugar ou adquirir um imóvel mais espaçoso em Alphaville e Tamboré, com ambiente para o home office, só que pelo mesmo valor, em São Paulo, esse cliente só conseguirá ter acesso a um studio e sem garagem. Grandes marcas e redes do varejo não param de chegar à região de Alphaville.

Por quê? Além do público já existente, pesquisas feitas pela SF Brokers demonstram crescimento da população em toda a região de Alphaville. Um dos casos mais comuns são as famílias que se desfizeram de seus imóveis em São Paulo e escolheram, em um primeiro momento, alugar uma casa ou apartamento em Alphaville. Grande parte desse público gostou da experiência e decidiu comprar um produto no bairro. Na região, esse público conseguiu elevar a qualidade de vida. Nossas pesquisas internas mostram que, desde pouco antes do início da pandemia no Brasil, até julho deste ano, ao menos sete mil imóveis foram alugados ou vendidos na região de Alphaville. Se você multiplicar por três pessoas, um casal com filho, dá uma média de 20 mil novas pessoas na região em curto espaço de tempo. Isso tem fomentado como nunca o setor imobiliário.

Atualmente, quantos corretores trabalham na SF Brokers? Hoje, temos, aproximadamente, 280 corretores que atendem os mercados da zona oeste da Grande São Paulo, com forte atuação em Barueri, Alphaville, Santana de Parnaíba e Osasco. Em Alphaville, temos trabalhado com studios a partir de 51 metros quadrados, até apartamentos de 230 metros quadrados. Também iremos ter, em breve, o lançamento de mais um condomínio residencial em Alphaville, com casas de três e quatro suítes. Ao menos 70% dos lançamentos de 2021 nessas regiões serão feitos pela nossa empresa. Até o momento, a SF Brokers já lançou mais de R$ 250 milhões em Valor Geral de Vendas (VGV) e tem provisionado, mais de R$ 800 milhões de VGV, ultrapassando R$ 1 bilhão.

Para o próximo ano, o que o senhor vislumbra em termos de lançamento imobiliário para a região de Alphaville? Além dos empreendimentos de empresas tradicionais que já atuam há décadas na região, existe um grandioso projeto chamado Alphagran, espécie de novo bairro localizado em frente à Fieb Alphaville, que recentemente teve a liberação do alvará desse megaempreendimento, do empresário e banqueiro Carlos Alberto Mansur, que promete grandes lançamentos residenciais e comerciais. A área de 280 mil metros quadrados, ao lado do Residencial 2 pertencia à família Ermírio de Moraes e deve ser dividida em vários terrenos, destinados a investidores e incorporadoras. Acredito que o VGV total de lançamentos na região em 2022, será entre 30% a 40% maior do que em 2021.

Veja mais notícias sobre Economia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Segunda, 06 Dezembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/