Destacado 

Selton Mello brilha como diretor em seu terceiro longa "O Filme da Minha Vida"

Selton Mello brilha como diretor em seu terceiro longa "O Filme da Minha Vida"
Johnny Massaro, o Tony Terranova, durante as gravações do filme nas Serras Gaúchas

GUSTAVO VILELA, da Redação

Existem filmes brasileiros que são clássicos. O Palhaço (2011), que conseguiu o raro feito de obter a unanimidade da crítica e ser um grande sucesso de público atraiu aos cinemas 1,5 milhão de espectadores, isso sem contar o fato de representar o Brasil no Oscar de 2012.

Quando um diretor assina uma obra-prima como este drama é mais que óbvio que podemos nos orgulhar e esperar muito mais dele. O inesquecível Chicó, de "O Auto da Compadecida" (2000), de Guel Arraes, tem nome e é Selton Mello, diretor do seu terceiro longa-metragem "O Filme da Minha Vida", que estreou ontem nas telas dos cinemas no País.

O novo longa de Selton, que tem na conta mais de 30 filmes como ator e trabalhos em novelas, é uma adaptação do livro Um Pai de Cinema, do escritor chileno Antonio Skármeta, autor de "O Carteiro e o Poeta", também levado às telas do mundo pelas mãos do britânico Michael Radford.

Pela forma como Skármeta convidou Selton para fazer o filme seria impossível uma recusa. "Foi assim que o livro apareceu na Bananeira Filmes (produtora do longa), com um bilhete: Oi, aqui é o Antonio Skármeta. Estou oferecendo a vocês os direitos desse livro.", conta Selton. Daria para dizer não? De jeito algum, afinal o filme se tornou para Selton uma obra mais pessoal.

O Filme da Minha Vida se passa nas Serras Gaúchas. O ano é 1963. O jovem Tony Terranova (interpretado pelo ator brasileiro Johnny Massaro) que precisa lidar com a ausência do pai (interpretado pelo ator francês Vincent Cassel), que foi embora sem avisar a família e, desde então, não deu mais notícias ao filho. Tony é professor de francês num colégio da cidade, convive com os conflitos dos alunos no início da adolescência e vive o desabrochar do amor até que a verdade sobre seu pai começa a vir à tona e o obriga a tomar as rédeas de sua vida.