Sidebar Menu

ENTREVISTA EXCLUSIVA: secretário de Saúde de Barueri fala sobre ações para combater a covid-19

"Acredito que até semana que vem teremos um número bem maior de leitos funcionando", garantiu Dionísio Alvarez Mateos Filho em entrevista ao Giro Noite
Entrevista foi ao ar na última terça-feira (23) e está disponível na íntegra no fim da reportagem (Reprodução/Youtube)

Na última terça (23), o secretário de Saúde de Barueri, Dionísio Alvarez Mateos Filho, concedeu entrevista exclusiva ao Giro Noite, programa de web tv que vai ao ar no portal do Giro de segunda a quinta, sempre às 18h. Na conversa com os jornalistas Vanessa Dainesi e João Felipe Cândido, o secretário falou sobre a situação da covid-19 no município, ampliação de leitos e fez críticas ao governo federal. Confira abaixo os melhores momentos.

AMPLIAÇÃO DE LEITOS
"Na última semana, o prefeito [Rubens Furlan, do PSDB] aumentou, no Hospital Municipal de Barueri, o número de leitos de UTI, da parte clínica e semi-intensiva. O HMB tem capacidade de atendimento de 285 pessoas e estamos com 196 leitos: um hospital praticamente inteiro voltado ao tratamento de pacientes da covid. Nesta semana, fizemos ampliação de dez leitos de semi-intensiva no Pronto-Socorro do Jardim Imperial, também mais 12 leitos no Pronto-Socorro do Jardim Paulista, sendo oito de semi-intensiva e quatro de UTI. Fizemos ainda, no Sameb, sete leitos de semi-intensiva para comportar os pacientes que estão vindo de toda a região. [...]Em torno de 40% dos pacientes são de cidades vizinhas."

DIFICULDADE DE CONTRATAR PROFISSIONAIS DA SAÚDE
"Não é questão de dinheiro. Estamos com dificuldade de contratar médicos, de comprar EPIs, mas estamos fazendo convênio com Organizações Sociais (OSs). Elas já têm sua equipe e isso facilita nosso trabalho. [...] Isso faz com que a gente consiga driblar um pouco essa dificuldade, mas graças a Deus estamos conseguindo aumentar os leitos e acredito que até semana que vem teremos um número bem maior de leitos funcionando".

FAIXA ETÁRIA DE INTERNADOS
"Na primeira onda, a faixa etária era de 60, 65 anos para cima. Hoje, temos um média bem maior de pessoas entre 30 e 55 anos, um pessoal mais novo. Também há crianças. Na primeira onda, elas eram menos afetadas, e agora ainda não são muitas, mas já há um número palpável de crianças internadas."

OCUPAÇÃO DOS LEITOS
"Temos cerca de 90% de ocupação na UTI, mas temos conseguido as vagas. Não tem ficado nenhum doente sem internação ou intubação. Não tivemos falta de equipamentos, isso não tem acontecido pois o prefeito tem nos dados bastante ajuda"

NOVO MINISTRO DA SAÚDE
"Se o novo ministro [Marcelo Queiroga] não for usar cloroquina e fizer o serviço dele, vai ajudar bem. Se for pela cabeça do presidente Jair Bolsonaro, vai ser muito mais complicado (...). Isto não é uma gripezinha, não sei se já caiu a ficha dele. O presidente tem que estimular o uso de máscara, estimular o distanciamento social, o que o mundo e os estudos mostram que deve ser feito. O jeito de evitar a doença é isso, e o presidente parece que até agora não aceitou isso e quer polemizar."

Veja mais notícias sobre PolíticaCoronavírus.

Veja também:

 

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/