Região oeste em pauta: obra na Castello Branco é tema de debate no Fórum de Mobilidade Urbana

Encontro promovido pelo Grupo Bandeirantes e CCR reuniu especialistas e autoridades do setor para discutir as tendências, melhorias e inovações para a área de mobilidade Urbana
Presidente do Conselho de Administração da Construtora MPD, Mauro Dottori, participou do Fórum (Divulgação/Reprodução Redes Sociais)

A extensão das marginais da rodovia Castello Branco até o km 32 e a construção de uma nova entrada para Osasco foram temas de um painel no Fórum de Mobilidade Urbana realizado entre os dias 26 e 27 de julho. Desenvolvido em parceria entre os Grupos Bandeirantes e CCR, o encontro teve apoio da construtora MPD, sediada em Barueri, e possibilitou a discussão sobre as tendências, melhorias e inovações para o setor de mobilidade Urbana, para isso, especialistas e autoridades do setor debateram a retomada das atividades.

Fábio Russo, CEO da CCR Infra SP, destacou o papel do governo do estado de São Paulo para que as obras saíssem do papel, e também, a importância do diálogo com as prefeituras locais. "Temos que frisar o grande mérito da parceria feita entre o público e o privado, sem ela essas obras não saíram. Sem uma regulação bem forte do governo do estado de São Paulo e a capacidade de diálogo com as prefeituras da região não conseguíramos fazer um projeto para atender as necessidades da população, já que as cidades são cortadas pela rodovia e muitas pessoas moram de um lado e trabalham do outro", disse.

CPTM no centro do debate
A concessão da linha 8 e 9 da CPTM também foi lembrada no painel que discutiu a mobilidade urbana. Recentemente, o Grupo CCR ganhou a licitação para administrar as linhas que cortam algumas cidades da região. "O planejamento de ações de mobilidade é fundamental. A CCR administra rodovias e aeroportos e, recentemente, ganhamos a concessão da linha 8 e 9 da CPTM, na mesma região, então, conseguimos planejar uma série de ações para atender a região oeste, tanto no transporte de carga e veículos como na mobilidade no transporte", garantiu Fábio Russo.

Barueri e cidades vizinhas beneficiadas
Representando o prefeito Rubens Furlan (PSDB), o secretário de governo, Milton Monti, falou sobre a importância das intervenções para a região. "Essa é uma obra muito importante para Barueri, o prefeito Rubens Furlan está muito satisfeito com isso, pois vai trazer um novo momento de oportunidades e investimentos para a cidade. Além disso, essa obra é importante para todas as cidades do setor oeste, pois temos um importante corredor de cargas que passa pela nossa região", afirmou revelando que as intervenções começam neste ano e que a conclusão deve ocorrer em até dois anos e meio. "A obra começa ainda neste ano. É uma obra bem grandiosa, só para cruzar o Rio Tietê vão construir duas grandes pontes, são vários quilômetros de marginal e o prazo de conclusão é de até dois anos e meio. Mas, essa é uma obra importante que vai mudar a configuração logística da região", completou.

Terceira maior construtora do País marca presença
O presidente do Conselho de Administração da Construtora MPD, Mauro Dottori, falou da importância de se compreender as necessidades do mercado e manter um diálogo entre a iniciativa privada e as gestões públicas para atender as necessidades da sociedade. "A iniciativa privada quer ser ouvida quando levamos uma demanda ao Poder Público. A pandemia mudou muito o nosso mercado e trouxe, por exemplo, uma demanda por terrenos e Barueri se aproveitou bastante dessa questão, pois as pessoas perceberam que precisam de espaços maiores. A partir daí, passaram a pensar como seriam a vida sem o carro. Para atender a essas novas necessidades, nós precisamos de planejamento e de ouvir a iniciativa privada para depois não ter de correr atrás do prejuízo novamente", pontuou.

Obras na Castello Branco
No dia 30 de junho, o governador João Doria (PSDB) anunciou um acordo com as concessionárias do grupo CCR que prevê o investimento de R$ 2,3 bilhões com a geração de 5.000 empregos. Na região, a concessionária ViaOeste executará as obras na rodovia Castello Branco, entre os km 23 e 32, sem qualquer custo para o governo ou solicitação de reequilíbrio contratual. No pacote a ser contemplado também está prevista a construção do novo acesso a Osasco pela rodovia Castello Branco.

O acordo entre o governo do estado de São Paulo e o grupo CCR prevê ainda o pagamento de indenização de R$ 1,2 bilhão para os cofres públicos paulistas. Os investimentos são consequência de um entendimento que encerra discussões judiciais entre as partes iniciadas em 2014, relativas a aspectos contratuais debatidos desde 2006.

*Foto da Capa: Uelson Henkell/Giro S/A.

Veja mais notícias sobre Metrópole.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Terça, 19 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/