Sidebar Menu

Professores ameaçam greve se aulas retornarem em setembro

Apeoesp afirma que escolas não tem condições para retorno das aulas
Diretor da Apeoesp de Cotia, professor Matheus Lima (Arquivo Pessoal)

O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), afirma que "Não haverá volta às aulas sem redução drástica da pandemia". O anúncio vem em resposta a declaração do governador de São Paulo, João Dória, de retorno às atividades escolares nesta quarta-feira, 24.

De acordo com o anúncio do Plano São Paulo de retomada de aulas presenciais em todos os níveis de ensino das redes pública e particular, prevista para 8 de setembro, a retomada será em três etapas. Na primeira, as salas terão ocupação máxima de 35%, com revezamento de estudantes durante a semana e sob protocolos rígidos de segurança.

Entre os protocolos estão o distanciamento de 1,5 m entre as pessoas, inclusive na sala de aula, com exceção da educação infantil; recreios e intervalos com revezamento das turmas em horários alternados; horários de entrada e saída escalonados para evitar aglomerações; veto a feiras, palestras, seminários e competições esportivas e outras medidas especificas de higiene pessoal como uso obrigatório de máscara, fornecimento de água potável em recipientes individuais e higienização frequente das mãos com água e sabão ou álcool em gel.

Ouça o podcast da entrevista

Para o diretor da APEOESP Cotia, que representa 27 escolas no município e 8 em Vargem Grande Paulista, Matheus Lima, o calendário de retorno às aulas anunciado pelo governo é prematuro. "O Brasil é o epicentro da pandemia, estamos em um patamar elevado de mortes, há muita subnotificação de casos e num momento como esse, tratar de voltar às aulas presenciais, é descabido. Colocar crianças e adolescentes em contato, vai evidentemente gerar contágio e a expansão da pandemia", observa.

O sindicalista destaca que o risco ainda seria maior para os pais e familiares em casa, devido a exposição. "O mais preocupante é que as crianças se contagiem e levem o vírus para suas casas, onde há pessoas do grupo de risco em muitas famílias", destaca.

Matheus alerta para o despreparo das escolas estaduais para a recepção destes alunos. "Quem conhece a rede estadual sabe que no dia a dia da escola, ter papel higiênico nos banheiros, não é o comum. Sabonete, quase nunca tem. Vidro quebrado, falta de água, também são constantes. E há pouquíssimos funcionários para atender toda demanda".

O professor ressalta que na quarta-feira, 24, a APEOESP, em reunião emergencial com a diretoria ratificou a posição contrária a volta das aulas presenciais. "Nós iremos iniciar uma campanha contra o retorno das aulas presenciais enquanto a pandemia estiver nessa situação. Há um manifesto que foi redigido e que vamos buscar apoio das outras entidades e da sociedade civil. E também vamos debater com a categoria a possibilidade de greve, caso o governo seja intransigente e queira cometer irresponsabilidades de colocar as crianças para se contaminarem nas escolar", finalizou. 


Veja mais notícias sobre GiroPlayMetrópoleVídeos.

Veja também:

 

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/

No Internet Connection