Sidebar Menu

Moradores da região reclamam de aumento abusivo na conta de Luz

Procon informa como deve ser o procedimento para contas de energia com valor abusivo
Moradora de Cotia, Nathara Lira, está indignada com aumento de sua conta luz (Foto: Arquivo pessoal)

Raquel Duarte

Os aumentos nos valores nas contas de luz estão tirando a paz de muitos moradores da região. A recepcionista Nathara Cristina Lira, 29, moradora do Jardim Araruana em Cotia, disse ficar em choque ao receber sua conta de luz mensal, que era, em média, R$ 90 saltou para R$ 391 em maio. Nathara, que atualmente está desempregada, disse que tentou rever este valor com a Enel mas não obteve reposta positiva.

"Minhas contas costumavam chegar no máximo à R$ 150, isso muito raramente. Achei um absurdo receber essa conta de R$ 391. Tentei pedir revisão da conta junto a ENEL, mas me disseram que este valor estava normal porque no mês não havia leiturista e eu mesma tinha feito a autoleitura", relata Nathara.

A consumidora resolveu procurar o Procon online que entrou com o processo administrativo, mas ainda está sem respostas da ENEL.

Este problema também foi apontado pela moradora da Vila Santa Rita em Itapevi, Thais dos Santos Ribeiro, 34, diarista e que atualmente está desempregada. Thais informa que teve o mesmo impacto ao receber sua conta de Energia Elétrica, pois os valores de fevereiro e março estavam em torno de R$ 80 e o de junho mais que dobrou.

"No mês de junho recebi uma conta no valor de R$ 187 e levei um susto literalmente. Eu moro com três crianças e nosso gasto de luz se concentra na TV, pois tenho poucos eletrodomésticos. Então a conta não faz sentido", reclama a consumidora.

Thais afirma ter tentado contato com a ENEL e segundo a consumidora, a mesma não finaliza o atendimento telefônico. "Nós tomamos um chá de banco esperando quando ligamos para a empresa, pois eles não atendem, e até agora não tenho retorno, não sei o que fazer", afirma.

O que diz o Procon

De maio para junho, o atendimento do Procon SP registrou um aumento de 373% nas reclamações contra a Enel por cobrança indevida. Em maio foram 877 reclamações, já em junho foram 4.151, sendo o pico dos atendimentos no dia 24, com mais de mil registros.

O Procon informa que tem sido procurado em seus canais de atendimento com diversas reclamações de contas de energia elétrica e afirma que uma força tarefa está sendo realizada para avaliar estas cobranças.

Segundo o órgão, contas com aumento acima de 30% vão ser auditadas pela força-tarefa; os consumidores devem registrar uma reclamação na plataforma do @proconsp e juntar a conta questionada e a do(s) mês(es) anterior(es).

A partir daí o Procon SP irá notificar a Enel individualmente para que esclareça os cálculos e detalhe como chegou ao valor final. De acordo com o Procon, se constatado erro no faturamento, a empresa deverá retificar a fatura e enviar uma conta com os valores corretos, sem cobrança de multa ou juros.

Parcelamento

Nos casos em que ficar constatado que o valor está correto, o Procon afirma que vai exigir que a Enel ofereça o pagamento parcelado em 8 (oito) vezes no boleto e em até 12 (doze) vezes no cartão de crédito.

As irregularidades verificadas nas contas serão encaminhadas para a fiscalização e poderão gerar multa para a Enel.

Cálculo durante a pandemia

Considerando o período de pandemia e a recomendação de isolamento social, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) autorizou que as empresas realizassem a cobrança mensal pela média dos últimos doze meses

ENEL

A reportagem do Giro AS entrou em contato com a ENEL mas até o fechamento da matéria não obteve retorno.

5 Passos de como proceder se a conta de luz estiver com valor alto

1) Se a conta chegar no valor muito acima da média, o consumidor deve registrar uma reclamação nos canais de atendimento do @proconsp: no site (www.procon.sp.gov.br), aplicativo – disponível para Android e iOS.

2) A conta será auditada e, após análise, uma nova fatura será emitida com o valor correto e nova data de vencimento.

3) Feito o registro no @proconsp o consumidor deve aguardar o resultado da análise para só assim efetuar o pagamento da conta.

4) O pagamento em nova data, mesmo se estiver correto o valor, não terá cobrança de juros e poderá ser parcelado em até 8 (oito) vezes no boleto ou em 12 (doze) vezes no cartão de crédito.

5) Se o consumidor já efetuou o pagamento, mas não concorda com o valor deve registrar reclamação; após a análise, se ficar constado aumento indevido, o valor será abatido nas próximas faturas.

Fonte: Procon-SP

Veja mais notícias sobre EconomiaMetrópole.

Veja também:

 

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/

No Internet Connection