Justiça extingue processo contra o ex-prefeito de Carapicuíba, Sérgio Ribeiro

Juíza apontou que Ministério Público não apontou e nem comprovou qual foi a atuação de cada parte acusado no processo fraudulento de contratação de funcionários
Ex-prefeito Sergio Ribeiro conquistou a extinção do processo na Justiça (Reprodução/Redes Sociais)

Uma decisão tomada pela Justiça, em 20 de janeiro, extinguiu o processo contra o ex-prefeito de Carapicuíba, Sérgio Ribeiro (PT). Ele era acusado de realizar processos seletivos fraudulentos, visando a contratação de oficineiros para apresentarem serviços na Prefeitura.

Segundo a decisão da juíza Rossana Luiza Mazzoni de Faria, o Ministério Público não explicitou quais as ações ou omissões dolosas de cada um dos integrantes do polo passivo. "Se houve a menção na inicial a respeito da violação ao princípio previsto no art. 11, inciso V da LIA, caberia o detalhamento de cada uma das condutas praticadas por cada um dos Secretários pontuando quais as ilicitudes praticadas no caso concreto e não, repito, na forma exposta, contrariando os princípios do contraditório e da ampla defesa. Se, em tese, há violação aos princípios da administração pública, deveria o Ministério Público explicitar quais as ações ou omissões dolosas de cada um dos integrantes do polo passivo, mencionando os documentos inerentes e detalhar a finalidade de cada um deles ao agir de maneira ilícito", diz a decisão. 

No mês passado, o ex-prefeito  foi condenado pelos crimes de organização criminosa, prevaricação e falsidade ideológica. As penas somadas totalizam 19 anos e 10 meses a serem cumpridos em regime inicial fechado e mais 3 anos e 6 meses que podem ser cumpridos em regime inicial aberto. Além disso, o político terá que pagar 282 dias de multas, no mínimo legal, com correção monetária no momento da execução, por infração. O ex-prefeito já ingressou com recurso da decisão.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, o ex-prefeito criou o esquema, determinando a divisão das vagas temporárias de agente comunitário de saúde entre os vereadores, que indicaram apadrinhados para ocupar os cargos. No âmbito criminal, cinco ex-vereadores, dois ex-secretários e a ex-diretora de recursos humanos, que participavam da ação, já foram condenados em 1º instância.

Em setembro do ano passado, ex-prefeito e demais envolvidos foram condenados por improbidade administrativa. Os réus foram condenados a pagar multa fixada no valor 20 vezes a remuneração percebida; perda da função pública (se ainda a exercerem); suspensão dos direitos políticos por quatro anos; e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos.

Veja mais notícias sobre MetrópolePolítica.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Segunda, 23 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/