Sidebar Menu

Fundador da Cacau Show, sediada em Itapevi, se solidariza com vendedor de trufas vítima de golpe

História de João Victor viralizou após ser enganado com uma nota de 100 reais falsa e perder toda sua mercadoria. Menino ganha vaga de estágio na empresa
João Victor e Alexandre Costa conversam no programa de Danilo Gentili, no SBT (Divulgação/Reprodução Instagram)

Alexandre Costa, fundador da Cacau Show, maior companhia de chocolate finos do mundo sediada em Itapevi, vai mudar a vida de um menino que sofreu um golpe e teve sua história amplamente divulgada nas redes sociais recentemente. 

O adolescente João Victor, de 13 anos, vendia trufas em um semáforo de Jundiaí, SP, para ajudar a família. No dia 27 de maio deste ano, uma motorista se ofereceu para comprar toda a mercadoria e pagou com uma nota de 100 reais. João Victor decidiu usá-la em um supermercado e descobriu que foi enganado: a cédula era falsa. A história viralizou e chegou ao conhecimento de Alexandre Costa, fundador da Cacau Show.

"É impossível qualquer pessoa não se solidarizar com a história do João, ainda mais eu, que comecei a vida deste jeito", declarou o empresário durante bate-papo com o menino intermediado pelo programa "The Noite", de Danilo Gentili, no SBT, emissora localizada em Osasco. Costa relembrou que iniciou sua carreira vendendo chocolates de porta em porta. 

Para incentivar João a persistir em seu sonho, Alexandre preparou uma surpresa. "Quando comecei a Cacau Show, tive uma mão que me ajudou e quero ser a mão que vai se estender para você (...). Vou te dar o mesmo que meu tio me emprestou para começar: 500 dólares, que são 2.500 reais, para você comprar trufas, revender e fazer seu lucro", disse.

Além disso, Alexandre convidou João para conhecer a fábrica, ver como os chocolates são produzidos e prometeu: "Quando você fizer 14 anos, vou te dar um estágio!". 

O garoto nunca imaginou que uma nota falsa o levaria tão longe. Aos risos, declarou a Gentili: "Quando eu encontrar aquela motorista de novo, vou dar beijos e abraços e chamar de meu amor", divertiu-se.   

De acordo com o site "Razões para Acreditar", que lançou campanha para ajudar o menino, João mora em uma casa alugada com sua mãe Priscila, 32, desempregada, seu pai Antônio, 43, que trabalha como servente de pedreiro, e mais quatro irmãos mais novos, com idades entre 3 e 11 anos. 

João Victor e sua mãe (Divulgação/Razões para Acreditar)

Veja mais notícias sobre Metrópole.

Veja também:

 

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/