Sidebar Menu

Estação Osasco da CPTM tem sala para acolher vítimas de assédio

"Espaço Acolher" foi idealizado em parceria com o Instituto Avon
Sala possui um espaço privado para a vítima (Foto: Reprodução Giro Notícias - Adriano Timóteo)

Estação Osasco da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), agora tem sala para acolher vítimas de assédio e importunação sexual. A iniciativa, que recebeu o nome "Espaço Acolher", faz parte do programa "Em Movimento Por Elas", em parceria com o Instituto Avon.

Em entrevista à reportagem do Giro S/A, Natália Prado, assessora executiva da CPTM, contou que a companhia realizou em março deste ano a pesquisa Voz feminina, em que 1,2 mil passageiras foram entrevistadas. "Desse total de entrevistadas, 47% afirmaram que já sofreram algum tipo de assédio ou conhecem uma mulher que já sofreu, seja no trem, metrô ou ônibus. Desse total, 69% disseram que foi na CPTM", contou Natália. "A partir dessa pesquisa, foi formulada uma série de políticas públicas para ampliar a rede de proteção às vítimas e um desses projetos é o Espaço Acolher", ressaltou.

A Companhia disponibilizará às mulheres e a todos que forem testemunhas um atestado, para que possam justificar na empresa o atraso ou até mesmo a falta no trabalho. Além de Osasco, as estações que também receberam o Espaço Acolher são Francisco Morato, Villa-Lobos-Jaguaré,  Santo André e Brás.

A CPTM também conta com central de monitoramento da segurança, que funciona 24h, com 14 pessoas trabalhando por turno no controle de mais de 2,5 mil câmeras em estações. Já nos trens, são mais de seis mil câmeras de olho em todo o movimento durante a circulação. Todos os casos são registrados pela Companhia e os agressores são encaminhados para as autoridades policiais.

Veja mais notícias sobre Metrópole.

Veja também:

 

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/

No Internet Connection