​Balanço: Centros de pós-covid de Barueri e Osasco atenderam mais de 2.100 pacientes

Em quatro meses, mais de 1.400 pacientes foram atendidos em Barueri; Ambulatório de Fisioterapia Respiratória Pós-Covid de Osasco passa de 700 atendimentos
O Centro de Atenção Multiprofissional Pós-Covid-19 de Barueri foi inaugurado em 2020 (Francisco Cepeda/Giro S/A)

Instalado na Arena Barueri, o Centro de Atenção Multiprofissional Pós-Covid-19 completou quatro meses de operação com mais de 1.400 pacientes atendidos. Já em Osasco, desde que o serviço do Ambulatório de Fisioterapia Respiratória Pós-Covid começou a ser oferecido, em junho de 2020, foram atendidos 700 pacientes, dos quais apenas três que se contaminaram nos primeiros meses da pandemia permanecem com sequelas e ainda não obtiveram alta. Atualmente, cerca de 60 pessoas estão em tratamento. O Ambulatório de Fisioterapia Respiratória Pós-Covid de Osasco fica na Policlínica da zona Norte, Jardim Piratininga.

Quanto mais cedo a pessoa inicia a fisioterapia mais rápido se recupera das sequelas. "Quem faz isso, tem grandes chances de ficar bem logo, mesmo entre os que precisaram ser intubados", afirma Janaine Andréa Monteiro Mituiti, fisioterapeuta especialista em paciente clínico em terapia intensiva do ambulatório de Osasco.

Centro de Barueri
Os pacientes que são vítimas da doença geralmente apresentam problemas respiratórios, musculares e psicológicos. "Só no Centro Funcional, em junho passado, cerca de 30% dos pacientes chegavam em razão das sequelas da covid-19, hoje esse número caiu para cerca de 10%, estima Flávia Mioto Galbiati, diretora do Centro de Saúde Funcional, Flávia Mioto Galbiati.

No grupo multiprofissional de atendimento, os casos que mais exigiram da equipe foram os relacionados à saúde mental. Trabalham em conjunto nutricionistas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, psicólogos, assistentes sociais, entre outros. "Os impactos da doença e da pandemia têm causado muitos danos psicológicos aos pacientes e aos familiares", destaca Flávia.

Por esse motivo, o centro conta agora com serviço de atendimento psicológico com núcleos de famílias. Serão encontros semanais e quinzenais, dependendo do estado psíquico de cada participante. A ação começou com seis grupos familiares e poderá aumentar se necessário.

Ivani Ferreira dos Santos, de 70 anos, moradora do Jardim Maria Cristina, ficou um mês na UTI por causa da covid-19. Saiu com sérios problemas respiratórios e desde então vem fazendo fisioterapia no Centro Pós-Covid de Barueri. "Se não fosse a ajuda que recebo aqui, iria demorar muito minha reabilitação. Hoje me sinto bem melhor", afirmou Ivani.

O espaço no Arena Barueri para esse fim foi inaugurado no dia 25/5 e uniu-se ao já existente Centro de Saúde Funcional, que atende moradores em tratamento de fisioterapia, em recuperação por outras doenças ou acidentes. Neste ano, foram, no total, mais de seis mil atendimentos até agosto de 2021. Tanto o Centro Pós-Covid quanto o Centro de Saúde Funcional pertencem à Secretaria de Saúde, que conta com a parceria da Secretaria de Esportes, responsável por ceder o espaço.

Centro de Osasco
O Ambulatório de Fisioterapia Respiratória Pós-Covid de Osasco foi criado depois que a secretaria de Saúde notou que pacientes que já haviam tido alta hospitalar permaneciam com alguns efeitos da doença, como cansaço, fraqueza muscular e desconforto para respirar. O espaço visa a reabilitação pulmonar. O local atende de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h.

Inicialmente, o atendimento era para pacientes de covid-19 que obtiveram alta do hospital de campanha montado na Policlínica Norte. Depois foi estendido aos de outras unidades da rede, como Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), prontos-socorros (Santo Antônio, Jardim D'Abril, Helena Maria) e Hospital Antônio Giglio.

Segundo Janaine Andréa Monteiro Mituiti, fisioterapeuta especialista em paciente clínico em terapia intensiva, no início do ambulatório, a maioria dos sequelados era composta por idosos. Porém, a faixa etária começou a cair. "Hoje boa parte está entre os 40 e 50 anos de idade. Creio que baixou em virtude do início da vacinação (que priorizou justamente os idosos, entre outros grupos)", afirma Janaine.

A fisioterapeuta ressalta que pacientes que estavam em tratamento e se contaminaram novamente alguns meses depois, precisaram interromper a fisioterapia por alguns dias. "Mas só um paciente (em torno dos 70 anos) precisou ser internado novamente. Não intubado. Só necessitou de cateter e oxigênio. Por isso é fundamental que, embora a população esteja sendo vacinada, as pessoas sigam com os cuidados, como a higienização constante das mãos, tomando a vacina, usando máscaras e evitando festas, reuniões e aglomerações em ambientes fechados", recomenda ela.

O ambulatório recebe pacientes com os sintomas mais comuns: queda de saturação (baixa oxigenação do sangue), cansaço e sensação de falta de ar. Quem já teve o novo coronavírus e apresenta sequelas, como cansaço persistente, sensação de falta de ar, dores nas articulações ou dificuldade para caminhar, deve procurar a Unidade Básica de Saúde (UBSs) mais próxima de sua residência para passar por avaliação médica e solicitar encaminhamento para tratamento no ambulatório de fisioterapia. Pacientes acamados ou com dificuldades na coordenação motora são atendidos em casa.

Os pacientes em tratamento fazem exercícios de cinesioterapia respiratória (inspirar o ar pelo nariz e expirar pela boca) e aeróbios (de acordo com o histórico de saúde de cada paciente) para fortalecimento dos membros inferiores e superiores para fortalecer a musculatura respiratória e aumentar a capacidade pulmonar.

Faculdade Anhanguera
A instituição de ensino localizada em Osasco criou em abril deste ano a "Liga de Reabilitação Pós-Covid", que também oferece reabilitação físico-funcional. "Todo o atendimento que oferecemos é voltado para a população local, no qual são realizados por universitários que já concluíram toda a parte teórica, e que, agora, aplicam na prática todo o conhecimento. Eles são supervisionados pela nossa equipe de instrutores e professores, além dos mestres e doutores renomados da área da Fisioterapia", explica a médica Carolina Quedas, coordenadora do curso de Fisioterapia das Faculdades Anhanguera.

Não há um levantamento oficial sobre o número de casos pós-covid, "uma vez que englobamos também os atendimentos das áreas de Ortopedia e Neurologia, que receberam pacientes para tratamento da doença", acrescenta a responsável técnica Profa. Mestre Tatiane Aragone.

As principais sequelas que chegam à clínica são cansaço excessivo e alterações respiratórias. "Tivemos também casos de pacientes com alterações musculares como perda de massa muscular", conta. O direcionamento dos pacientes é realizado de acordo com o diagnóstico e encaminhamento médico de cada pessoa.

Apenas Osasco e Barueri indicaram possuir um centro pós-covid entre as cidades que compõem o Consórcio Intermunicipal da Região Oeste Metropolitana de SP (Cioeste).

Serviço:

Centro de Atenção Multiprofissional Pós-Covid-19
Endereço: avenida Pref. João Vila-Lobos Quero, 1001, Jardim Belval
Horário de funcionamento: das 7h às 19h
Os pacientes precisam de encaminhamento

Ambulatório de Fisioterapia Respiratória de Osasco
Endereço: Policlínica da zona Norte - avenida Getúlio Vargas, 889, Jardim Piratininga
Horário de atendimento: segunda a sexta-feira, das 7h às 19h
Informações: 2183-8682.

Liga de Reabilitação Pós-Covid
Endereço: avenida dos Autonomistas, 1.325, Vila Campesina, Osasco.
Informações sobre as inscrições: 3699-9046, das 8h às 14h, com Larissa, e das 14h às 18h30, com Douglas.

Veja mais notícias sobre Metrópole.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Terça, 30 Novembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/