Sidebar Menu

62% das escolas estaduais da região precisam de reformas

Das 118 instituições com problemas, somente 46 estão com previsão de obras
Ceneart. Escola Antônio Raposo Tavares, no centro de Osasco: Defesa Civil já interditou áreas - Foto: Edivaldo Santana/GIRO S/A

Das sete cidades da região, seis possuem escolas municpais e estaduais, exceto Santana de Parnaíba onde a rede é 100% municipalizada. Das 191 escolas estaduais, 118 precisam de reformas urgentes, ou seja 61,8% estão com problemas de infraestrutura. E somente 46 possuem obras planejadas pela Secretaria de Educação do Estado.
Em Osasco, o Ceneart, uma das mais antigas da cidade, foi interditado pela Defesa Civil por problemas, como rachaduras, infiltrações, afundamentos no solo e outras irregularidades. Em outras, além da precária situação dos prédios, os alunos e professores convivem ainda com insetos, matos sem roçagem e falta de materiais de limpeza e higiene.
A situação mais grave é de Carapicuíba, que possui 55 escolas e 47 necessitam de intervenções e só 19 têm previsão de obras. Osasco conta com 52 instituições, 25 aguardam ações e 7 previstas. Cotia tem 27, 20 precisam de reforma e 7 apenas têm planejamento. Em Itapevi, de 22, 15 têm problemas e 9, planejadas reformas. Jandira dispõe de 14, 8 com urgência e 2 apenas devem ter obras. Barueri tem 21 centros de ensino e 3 precisam de reparos.
Para a professora da rede estadual em Osasco, Gabriela de Ângelo, as situações interferem na qualidade de ensino. "A gente sente as deficiências da escola pública, a falta de investimento desde a estrutura até o material. Esse descaso repercute na educação, na ação do professor e na resposta do próprio aluno. Se ele está em uma unidade que não é bem cuidada, que apresenta risco, isso desmotiva" analisa.,
Secretaria diz que realiza parte das obras
A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo informa em nota que está empenhanda esforços para conseguir os recursos necessários para providenciar as reformas e manutenções das escolas.
Na região, das 118 escolas citadas pela reportagem, 46 unidades estão em um convênio que está previsto para ser assinado.
Sobre a Escola Estadual Antônio Raposo Tavares, "após avaliação da Defesa Civil, visando a segurança dos alunos, dez espaços da unidade foram interditados". A Secretaria diz que cinco espaços foram liberados em abril após reforma emergencial orçada em R$ 33 mil. "A unidade é uma das 46 que faz parte do convênio que será assinado nos próximos dias", completa a nota

Veja mais notícias sobre Metrópole.

Veja também:

 

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.girosa.com.br/

No Internet Connection